quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Uma tertúlia inesperada
An unexpected literary salon


Aproximei-me do Ricardo, expliquei-lhe o que pretendia e enquanto o senhor que estava sentado ao seu lado me cedia gentilmente o seu lugar, a senhora sentada à sua frente tranquilizava-o quanto à natureza do meu projeto, que afirmou conhecer. Pousei toda a minha tralha no assento (mala, livros, guarda-chuva...), afastei-me o possível para fazer a fotografia (a carruagem estava cheia) e voltei, depois, ao meu lugar para conversar e tomar notas. "Não sou nada esquisito a ler, leio de tudo um pouco", foi desta forma sucinta que o Ricardo traçou o seu perfil de leitor. Grande consumidor de livros, lamenta que sejam tão caros em Portugal e afirma que para quem sabe ler em inglês sai muito mais barato fazer as compras na Amazon. A senhora sentada à sua frente concorda e aproveita para partilhar detalhes sobre uma encomenda que recebeu há pouco tempo. É precisamente para reduzir custos que o Ricardo diz recorrer a livros emprestados, como era o caso de "Inferno", de Dan Brown, o livro que se vê (pouco!) na fotografia. Já tinha lido todos o outros títulos do autor e estava a gostar muito deste último, nomeadamente por causa da contextualização histórica que é feita. A senhora sentada à sua frente concorda de novo e acrescenta, sem querer desvendar muito, que "o fim não tem nada a ver com o que se espera!". E neste momento perdi o controlo da conversa. Não sei bem como aconteceu, mas quando dei por mim o Ricardo e esta passageira debatiam os seus autores de thrillers e policiais favoritos (ouvi mencionar Agata Christie e Daniel Silva), recordavam os tempos saudosos das primeiras leituras ("Os Cinco", "Uma Aventura", "O Clube das Chaves", "Harry Potter") e referiam-se a personagens como se existissem em carne e osso, tudo isto sem que eu conseguisse interrompê-los. Tive a sensação de que toda a carruagem vinha atenta a esta tertúlia inesperada. Quase a chegar a Matosinhos só consegui fazer uma última pergunta: "Pode apontar o livro da sua vida?". O Ricardo foi perentório: "Custa-me eleger um livro em especial porque cada livro é um mundo diferente".


***

I got closer to Ricardo, explained what I had in mind and while the gentleman sitting next to him gently gave his seat to me, the lady sitting in front of him validated the good nature of my project, that she was well aware of.  I placed all of my junk on the seat (bag, books, umbrella…) gave all the steps back I could to take the picture (the carriage was full) and then returned to my seat, to talk and take notes. “I’m not picky when it comes to reading, I read a bit of everything”, it was in this short way that Ricardo defined his profile as a reader.  A big consumer of books, he regrets they are so expensive in Portugal and claims that for those who are able to read in English it is a lot cheaper to shop at Amazon. The lady sitting in front of him agrees and takes the time to share details about an order she got a while back. And it is to minimize costs that Ricardo uses borrowed books, like “Inferno” of Dan Brown, the book we can (barely!) see on the photo. He had read all the other titles of the author and he was enjoying very much this last one, mainly due to the historic contextualization the author makes. Again the lady sitting in front of him agrees and adds, without revealing too much, that “the end is different of what one would expect!” At that moment I lost control of the conversation. I’m not quite sure how it happened, but when I noticed Ricardo and this passenger debated their favorite authors of thrillers and detective stories (I heard them mention Agatha Christie and Daniel Silva), they remembered the nostalgic times of their first readings and they talked about the characters like they were of flesh and bone, and I was unable to interrupt them. I had the feeling that the entire carriage was paying attention to this unexpected literary salon. Only when we were almost arriving to Matosinhos I had the opportunity to ask one last question: “Can you choose the book of your life?” Ricardo was peremptory:” It is difficult to choose a particular book because each book is a different world”.
Translated by Marisa Silva

1 comentário:

Carolina Tavares disse...

Oi Sandra,

Li sobre o teu projeto de fotografar pessoas a ler pelo mundo, achei muito interessante e fiz um post lá no blog http://meublogcafecomcanela.blogspot.com.br - espero que goste. Desejo-lhe sucesso no projeto e excelentes capturas.

Beijinhos
Carolina Tavares